Rangers goleiam Devils no 2º jogo da Stadium Series

465235659_slide

A neve caiu sobre o estádio dos New York Yankees, para contentamento dos mais de 50 mil fãs que testemunharam a vitória dos New York Rangers sobre os New Jersey Devils. Mais de 100 mil fãs assistiram aos primeiros dois jogos da Stadium Series, num fim de semana histórico para a modalidade.

Os Rangers tentaram impôr o físico logo de início, mas foram os Devils a começar melhor. O golo de Travis Zajac colocou a sua equipa a vencer por 3-1, ainda no 1º período. Passados apenas 52 segundos, Marc Staal reduziu a diferença, num golo que Martin Brodeur vai querer esquecer rapidamente.

O 2º período foi completamente dominado pelos Rangers, com 4 golos sem resposta. Dois golos seguidos de Mats Zucarello colocaram os Rangers pela primeira vez na frente do marcador. Passado pouco tempo, Carl Hagelin aproveitou uma série de desvios para fazer o 5-3. O golpe de misericórdia foi dado por Rick Nash, a 29 segundos do fim do período, deitando por terra as aspirações dos Devils.

Martin Brodeur já não voltou para o 3º período, tendo sido substituído por Cory Schneider, que acabou por sofrer o 7-3 final numa grande penalidade cobrada por Derek Stepan.

Com esta vitória, os Rangers são a primeira equipa da NHL a vencer dois jogos ao ar livre, depois de terem derrotado os Philadelphia Flyers por 3-2, no Winter Classic de 2012. Na quarta-feira, os Rangers vão ter a hipótese de somar a terceira vitória ao ar livre, quando defrontarem os New York Islanders no Yankee Stadium.

Outros resultados de ontem

Detroit Red Wings 4 – 5 Florida Panthers
O departamento médico dos Red Wings não tem descanso este ano. A poucos minutos do início do jogo, Henrik Zetterberg foi retirado do plantel, depois de ter tido uma recaída de uma lesão antiga. Os Red Wings estiveram a vencer 4-2, mas permitiram que os Panthers empatassem no 3º período. Tom Gilbert praticamente deu a vitória à sua equipa, ao evitar o golo dos Red Wings no prolongamento. Nick Bjugstad marcou o único golo no shootout.

Chicago Blackhawks 1 – 3 Winnipeg Jets
Os guarda-redes têm sido o pesadelo dos Jets, mas o habitual suplente, Al Montoya, brilhou frente à melhor equipa da NHL. Montoya fez 34 defesas e foi essencial durante o 1º período, impedindo que os Blackhawks alargassem a vantagem. Andrew Ladd, antigo jogador dos Blackhawks, marcou o golo da vitória dos Jets.

Edmonton Oilers 5 – 1 Nashville Predators
No dia em que Wayne Gretzky fez 53 anos, uma vitória dos Oilers é mais do que apropriado. Com a vitória, os Oilers puseram fim a uma série de 6 derrotas consecutivas. Ben Scrivens registou a sua 1ª vitória pelos Oilers, com 34 defesas. Ryan Smyth foi o homem do jogo, com um golo e uma assistência.

Vancouver Canucks 5 – 4 Phoenix Coyotes
Antoine Vermette fez um hat-trick, mas foi insuficiente para dar a vitória à sua equipa. Kevin Bieksa marcou dois golos pelos Canucks, um dos quais decidiu a partida no prolongamento. Bieksa falhou o primeiro remate, mas conseguiu fazer um chapéu a Mike Smith, quando já estava em queda.

Publicado originalmente no blog Planeta Desportivo

Anúncios

A ameaça da KHL

A reacção imediata ao anúncio de Kovalchuk foi choque. Depois veio a aceitação e uma pergunta: será que Kovalchuk estabeleceu um precedente? Será este o início de um êxodo de jogadores para a KHL?

Kovalchuk deixa na mesa $77 milhões de dólares durante os próximos 12 anos, mas irá provavelmente receber uma quantia muito maior da sua nova equipa, o SKA S. Petersburgo. A KHL tem mais poder económico do que a NHL, ou pelo menos menor regulação do sistema financeiro da liga, e a sua táctica para tentar pescar mais jogadores à NHL será atirar-lhes com baldes cheios de dinheiro. Mas é isso suficiente para atraí-los?

Segundo alguns agentes, os jogadores que representam são assediados quase constantemente com propostas milionárias da KHL, algumas na ordem dos $10 milhões por ano. O lockout foi uma altura propícia a esse tipo de assédio, com quantidades loucas de dinheiro a serem prometidas aos jogadores para eles ficarem na Rússia. No entanto, nenhum ficou, e até agora apenas Kovalchuk se arrependeu.

O dinheiro é bom, mas o nível competitivo ainda é fraco comparado com a NHL. Só assim se explica o facto de Malkin ter terminado na 3ª posição da lista de melhores marcadores, mesmo tendo jogado apenas 37 jogos. Kevin Dallman não se conseguiu afirmar na NHL, mas é o melhor defesa da KHL da última década.

Pavel Datsyuk também esteve tentado a regressar a casa, e é fácil perceber a tentação. Se eu pudesse fazer aquilo que gosto, por mais dinheiro e ainda estar mais perto de casa, porque é que não o faria? Acho que qualquer pessoa, em qualquer profissão iria seriamente considerar esta opção.

Datsyuk acabou por renovar contrato com os Red Wings, e também é fácil perceber porquê. Os atletas profissionais são pessoas altamente competitivas e que querem estar sempre entre os melhores. Para isso, Datsyuk sabe que tem que ficar na NHL e lutar pela Stanley Cup.

A situação de Kovalchuk está cheia de circunstâncias especiais e que dificilmente se repetirão. Os Devils estão a passar por algumas dificuldades financeiras e até ficam aliviados por se verem livres do contrato de Kovalchuk. A perda do seu melhor jogador vai prejudicá-los no curto prazo, mas sem o peso do contrato de Kovalchuk vai ser mais fácil encontrar investidores.

Qualquer outro jogador que tente fazer o mesmo, o mais certo é ver o seu contrato suspenso e ser impedido de jogar no próximo ano. O próprio Kovalchuk arrisca nunca mais jogar na NHL, uma vez que o seu regresso tem que ser aprovado pelos Devils e pelas outras 29 equipas.

A verdadeira ameaça da KHL são os rookies. Cada vez são mais os jogadores a adiarem a sua chegada a NHL. Evgeni Kuznetsov foi escolhido no Draft de 2010 e ainda não se apresentou nos Washington Capitals. Vladimir Tarasenko foi seleccionado no mesmo ano e apenas na época passada se estreou ao serviço dos St. Louis Blues. O 10º jogador seleccionado este ano, Valeri Nichushkin já avisou os Dallas Stars que se não entrar directamente para a equipa principal, volta para a KHL.

É neste campo que a batalha se irá travar, e não nos jogadores já estabelecidos. Quanto a Kovalchuk, ele irá provavelmente dominar a KHL, mas só iremos voltar a ouvir falar de tal pessoa nos Jogos Olímpicos de Socchi.

Craig Anderson dá aos Senators espaço para respirar

Foi na melhor altura que Craig Anderson decidiu registar a sua primeira vitória em quase dois meses.

O guarda-redes dos Senators, que falhou 19 jogos em resultado de um lesão no tornozelo, fez 33 defesas sem sofrer qualquer golo no jogo de sexta-feira. Os Senators derrotaram os New Jersey Devils por 2-0 e têm agora 2 pontos de vantagem sobre os New York Islanders, consolidando o seu 6º Lugar na Conferência Este. Os Toronto Maple Leafs estam em 5º, a apenas 1 ponto de distância.

Anderson foi espectacular entre os postes mas também deu que falar fora deles. Durante uma sequência caótica no segundo período, Anderson acertou com a cabeça do seu stick na cara do luso-descendente Adam Henrique.

Segundo as regras esta acção é merecedora de 5 minutos de penalidade. Como os árbitros não se aperceberam da infracção, Brendan Shanahan e o Departamento de Segurança devem ter qualquer coisa a dizer. Anderson merece uma suspensão? 

Rivais de Nova Iorque na luta pelos Playoffs

Os New York Rangers tentam por tudo agarrar o 8º lugar e fugir dos seus mais directos perseguidores. Na quinta-feira, os Islanders afirmaram-se como uma das principais ameaças.

Os Rangers sucumbiram aos pés dos Ottawa Senators, por 3-0, enquanto que os Isles recuperaram uma desvantagem de 2-0 para vencer os Philadelphia Flyers por 4-3, no shootout.

Com os resultados de hoje, os Islanders têm os mesmos pontos que os Rangers (35), mas um jogo a mais. Em 7º lugar estão os New Jersey Devils com 37 pontos e os últimos lugares nos Playoffs podem vir a ser decididos entre este 3 rivais da Big Apple.

No último dia da época regular, os Rangers recebem os Devils. Se nessa altura as coisas ainda não estiverem decididas, este é sem dúvida um jogo a não perder.

Kovalchuk de fora por 2-4 semanas

A lesão no ombro sofrida por Ilya Kovalchuk no jogo de sábado frente aos Hurricanes pode comprometer seriamente as hipóteses de apuramento para os Playoffs. Lou Lamoriello disse que a equipa não vai puder contar com o russo nas próximas 2 a 4 semanas.

Matt D’Agostini, avançado recentemente adquirido aos St. Louis Blues, ganha uma nova importância na equipa, agora com a falta de Kovalchuk. Os Devils esperam agora que Martin Brodeur mantenha a sua veia goleadora…

Os Devils estão em 7º lugar na Conferência Este, com quatro pontos de vantagem sobre os Rangers e Hurricanes, empatados no 8º lugar. Kovalchuk é o segundo melhor marcador da equipa, apenas atrás de Patrik Elias.

Queda dos Devils continua

Os New Jersey Devils conseguiram quebrar uma série de seis derrotas consecutivas com a vitória na quinta-feira frente aos Sabres, mas continuam a passar pela pior fase da época.

Os Devils perderam contra os Carolina Hurricanes por 6-3, a nona derrota nos últimos 11 jogos. Se continuarem assim, correm sério risco de saírem dos lugares de apuramento para os Playoffs.

Com Martin Brodeur ainda a recuperar de uma lesão nas costa, Johan Hedberg fez o seu oitavo jogo consecutivo. Ele acabou por sofrer 5 golos em 18 remates e foi substituído no segundo período.

Hedberg foi substituído nos últimos três jogos, mas deverá ser novamente o titular frente aos Winnipeg Jets no domingo.

Se os Devils perderem esse jogo, os Jets ultrapassam a equipa de New Jersey na luta pelos Playoffs.