Sam Gagner foi um Lightning por poucas horas

467874925_slide

Não seria uma off-season da NHL sem rumores sobre Sam Gagner. Ontem, o centro de 24 anos foi finalmente trocado para os Tampa Bay Lightning, em troca de Teddy Purcell. Esta troca veio dois dias antes da activação do no-trade clause que existe no contrato de Gagner.

A aquisição de Sam Gagner não fazia sentido no plantel dos Lightning. A equipa da Florida está bem apetrechada na posição de centro, com Steven Stamkos, Valtteri Filppula e Tyler Johnson. Alguns analistas avançaram a hipótese de Gagner passar a jogar numa ala, mas a ideia de Steve Yzerman era outra. Passadas poucas horas, Gagner foi trocado novamente, desta vez para os Phoenix Coyotes juntamente com B.J. Crombeen, em troca de uma 6ª ronda no Draft de 2015.

Não é a primeira vez que Yzerman faz este tipo de movimentações. Em 2012, fez o mesmo com Kyle Quincey. Yzerman não se ficou por aqui e ainda enviou Nate Thompson para os Anaheim Ducks, em troca de uma 4ª e um 7ª ronda no Draft de 2015. Com estas trocas, os Lightning aliviaram mais de $7 milhões de dólares na folha salarial, receberam 3 escolhas no Draft e ainda abriram espaço no plantel para os jovens jogadores que têm no sistema.

Para os Oilers, a troca faz menos sentido. Apesar dos constantes rumores, os Oilers não obtiveram aquilo que precisavam. Teddy Purcell é um bom jogador, mas, que eu saiba, ainda não joga à defesa. Com a saída de Gagner, os Oilers ficam sem centro para a 2ª linha. A menos que estejam a pensar colocar Leon Draisaitl já na equipa principal, deverão ter que recorrer à free agency para tapar este buraco.

Anúncios

Primeira ronda do Draft da NHL recheada de motivos de interesse

hi-res-44ec5ad396ad2cef31527957af50049b_crop_north

A primeira ronda do Draft da NHL realizou-se ontem e não foi parca em acontecimentos que merecem discussão. Apesar do ponto alto da noite ser a realização de um sonho para 30 miúdos de 18 anos, que sacrificaram muito para poderem estar ali, o Draft é sempre um dia de especulação sobre o futuro das equipas. Este ano não nos pudemos queixar. Tivemos duas trocas importantes e muitos motivos de conversa.

Ryan Kesler muda-se para Anaheim

A acção começou ainda antes do Draft. Os Anaheim Ducks adquiriram Ryan Kesler aos Vancouver Canucks, em troca de Nick Bonino, Lucas Sbisa e a 24ª escolha no Draft. Os Ducks são sempre uma equipa forte todos os anos, impulsionados pela dupla Ryan Getzlaf/Corey Perry, mas falta-lhes qualquer coisa para entrarem na lista exclusiva de candidatos à Stanley Cup. Um dos problemas dos Ducks tem sido a dependência da 1ª linha e a falta de um centro de 2ª linha. Com Kesler, esse problema fica resolvido, e ainda permite retirar algumas responsabilidades defensivas a Getzlaf.

Os Canucks têm um novo GM e uma nova atitude. Jim Benning não perdeu tempo em mexer na equipa. Depois de trocar Kesler, também se livrou do contrato pesado de Jason Garrison para os Tampa Bay Lightning. Com estas duas trocas, os Canucks libertaram muito espaço salarial e espera-se que sejam uma das equipas mais movimentadas na free agency.

O Público de Filadélfia

Os adeptos de Filadélfia são dos mais aguerridos da NHL. Quando toca a defender os seus Flyers, ninguém escapa. Quem não podia sair de Filadélfia sem uma boa assobiadela era Gary Bettman. O comissário da liga é desprezado na grande maioria das cidades que acolhem as equipas da NHL, mas os adeptos dos Flyers têm-lhe um ódio especial. Mal Gary Bettman subiu ao palco para dar início ao Draft, começaram os assobios. O comissário não se mostrou incomodado, tentou brincar com a situação, perguntando se aquela não era a Cidade do Amor Fraternal, mas nada conseguiu parar os adeptos mais fervorosos.

Os apupos não se limitaram a Bettman. Na leitura da ordem do Draft, o público brindou todas as equipas, à excepção dos Flyers claro, com um apropriado “YOU SUCK”. Quando os Pittsburgh Penguins, rivais do estado da Pensilvânia, subiram ao palco para fazerem a sua escolha, a assobiadela ainda foi mais forte do que a de Bettman. É chato para os miúdos, serem assobiados num dia de festa. Mas este é o espírito dos fãs da NHL, os mais apaixonados de todos os desportos. Assim sempre se vão habituando ao ambiente do Wells Fargo Center.

Aaron Ekbald acabou mesmo por ser o 1º

Em muitas das listas, Ekblad aparecia como o melhor jogador deste Draft. Um defesa grande, com um slapshot temível e que, segundo a grande maioria dos olheiros, está pronto para a NHL. Os Florida Panthers tinham a 1ª escolha e chegaram a tentar trocá-la, mas as propostas acabaram por não serem suficientes para convencer Dale Tallon. O GM dos Panthers entrou no espírito da coisa e fez uma pausa para efeitos de suspense, antes de finalmente dizer o nome de Ekblad.

Leon Draisaitl fez história

Ao ser escolhido pelos Edmonton Oilers na 3ª posição, Leon Draisaitl tornou-se no alemão a ser seleccionado mais cedo num Draft da NHL, ultrapassando Marcel Goc que tinha sido o 20º jogador escolhido no Draft de 2001. Conhecido na Alemanha pela alcunha “The German Gretzky”, Draisaitl vê a sua entrada na NHL como uma oportunidade de fazer crescer o hockey no seu país.

Penguins despacham James Neal

Os Penguins mudaram toda a orientação da equipa. Jim Rutherford é o novo GM e quis deixar já a sua marca. Resta saber se foi pelo melhor. Os Penguins enviaram James Neal para os Nashville Predators, em troca de Patric Hornqvist e Nick Spaling. A verdade é que não se percebe muito bem o que é que os Pens ganham com esta troca. James Neal é um dos bons goleadores que há na NHL. Ele marcou 40 golos em 2010/11, ao lado de Evgeni Malkin. Vamos ver como é que os Penguins substituem esses golos.

Hornqvist também é capaz de marcar, mas não tem o remate de Neal. É um jogador que gosta de ir para a frente da baliza e encostar. Nick Spaling é jovem e polivalente. Pode ajudar a resolver o problema da profundidade das linhas secundárias dos Pens. No entanto, nenhum deles tem a qualidade de Neal e, em termos de salary cap, os Penguins ficam praticamente na mesma.

Islanders sobem no Draft para escolher jogador problemático

Os Islanders trocaram para puderem escolher Josh Ho-Sang, jogador que tinha dado muito que falar. Ho-Sang era um dos avançados mais talentosos à partida para o Draft, mas caiu nas listas devido à sua atitude arrogante. Isso levou a questões sobre a sua personalidade e capacidade de se integrar numa equipa, o que não impediu os Islanders de arriscar. Quando inquirido sobre a polémica à volta de Ho-Sang, o GM dos Islanders Garth Snow respondeu à letra.

Aaron Ekblad lidera o Top-10 do Draft de 2014

Hoje é o dia em que os fãs da NHL podem projectar o futuro da sua equipa. São muitos os jovens que anseiam pela sua entrada na melhor liga de hóquei no gelo do Mundo, e alguns deles vão mudar o destino da equipa que os escolher. O Draft é dia também de trocas e especulação, mas nunca devemos perder de vista o mais importante. Este é um dia de festa para 210 jovens jogadores, o dia em que finalmente vão realizar o seu sonho. O sonho que perseguem desde a infância e que a tantos sacrifício obrigou.

Fique a conhecer os jogadores mais bem colocados para serem os primeiros a subirem ao palco.

1 – Aaron Ekblad, Defesa, Barrie Colts (OHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 58
Golos: 23
Assistências: 30
Pontos: 53

Ekblad foi o primeiro defesa a quem foi concedido o carácter de “jogador excepcional”, que lhe permitiu entrar para a OHL antes de atingir a idade mínima. John Tavares foi o primeiro jogador a quem foi concedido este estatuto especial. Considerado por muito olheiros como o melhor jogador deste Draft, Ekblad tem a capacidade de influenciar o jogo em todas as suas fases. Bom patinador, excelente técnica para um jogador com 1.93m e um slapshot que aterroriza os guarda-redes adversários. Ao contrário do costuma acontecer com os defesas, Ekblad tem tudo para competir na NHL já na próxima época.

Comparação: Shea Weber

2 – Sam Reinhart, Centro, Kootenay Ice (WHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 60
Golos: 36
Assistências: 69
Pontos: 105

Ninguém ficaria surpreso de ver Sam Reinhart ser escolhido em 1º. Reinhart tem tudo aquilo que se pode pedir a um centro. Joga bem na sua zona, é muito inteligente com o disco e tem um instinto ofensivo apurado. Ele acerta na baliza de qualquer ângulo, mas é a sua capacidade de assistir os companheiros que aguça o interesse dos olheiros. Com passe e visão de jogo, Reinhart consegue ditar a velocidade do jogo a seu belo prazer.

Comparação: Patrick Marleau

3 – Sam Bennett, Centro, Kingston Frontenacs (OHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 57
Golos: 36
Assistências: 55
Pontos: 91

Apesar de todo o seu potencial, um episódio caricato no Draft Combine moldou a percepção que se tem deste jogador. No Combine, Bennet só conseguiu fazer uma puxada na barra fixa, o que deixou na cabeça dos olheiros algumas dúvidas quanto à sua capacidade física. Mas a força não é a arma de Bennett. É a velocidade. Velocidade de patinagem, mas mais importante, velocidade de pensamento. Muito bom na sua zona, Bennett tem tudo para ser um centro completo, capaz de jogar em qualquer top-6 da liga.

Comparação: Paul Stasny

4 – Leon Draisaitl, Centro, Prince Albert Raiders (WHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 64
Golos: 38
Assistências: 67
Pontos: 105

Draisaitl é um jogador forte, eficaz na zona defensiva e ofensiva. Apesar de todas as capacidades ofensivas, é o seu jogo defensivo que espanta os olheiros. Para além de ser uma combinação rara de técnica e força, Draisaitl têm uma intensidade a proteger o disco que já lhe valeu comparações com Jaromir Jagr. A patinagem é um problema, mas algo que pode ser resolvido quando chegar à NHL. Draisaitl tem tudo para ser o primeiro alemão a ser escolhido no Top-5 do Draft.

Comparação: Ryan O’Reilly

5 – Michael Dal Colle, Ala Esquerdo, Oshawa Generals (OHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 67
Golos: 39
Assistências: 56
Pontos: 95

Em duas épocas na OHL, Dal Colle registou 143 pontos. Ele tem técnica e velocidade para bater qualquer defesa, mas também é capaz de atacar a baliza e marcar aqueles golos feios. Tem um remate colocadíssimo e forte, com um release quase imediato. Tudo o que é preciso para se ser um sniper na NHL. Talvez ainda lhe falte algum tamanho e força, mas não é difícil perceber que ele será um dos melhores goleadores da NHL nos próximos anos.

Comparação: Patrick Kane

6 – Nick Ritchie, Ala Esquerdo, Peterborough Pete’s (OHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 61
Golos: 39
Assistências: 35
Pontos: 74

Há uma expressão muito utilizada pelos olheiros para descrever Nick Ritchie: he looks like a man among boys. Ele já tem a estampa fisíca para jogar na NHL, aliada a uma velocidade de patinagem acima da média, para um jogador com 1.90m e e 104 Kg. A inconsistência na última época roubou-lhe a possibilidade de alcançar os primeiros lugares desta lista. mas é difícl encontrar neste Draft a combinação de força, velocidade e explosividade que Ritchie exibe. O seu jogo físico é obviamente excelente, podendo ser uma força imparável no forecheck, mas precisa de melhorar na zona defensiva e tem a tendência de desaparecer durante grandes períodos do jogo.

Comparação: Jamie Benn

7 – Jake Virtanen, Ala Esquerdo, Calgary Hitmen (WHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 71
Golos: 45
Assistências: 26
Pontos: 71

Jake Virtanen tem um dos melhores remates deste Draft, para além de ser também um dos melhores patinadores. Esta combinação torna muito provável a sua escolha nos primeiros 10. Virtanen teve um época extraordinária este ano pelos Calgary Hitmen, onde marcou 45 golos, 32 dos quais em 5-contra-5, mais do que qualquer outro jogador naquela liga. A única preocupação em relação a Virtanen é que os seus golos sejam inflacionados por ter jogado ao lado de jogadores mais velhos, um passo acima no desenvolvimento. Mesmo com tantos golos, Virtanen foi apenas o 3º melhor marcador da equipa.

Comparação: Blake Wheeler

8 – Haydn Fleury, Defesa, Red Deer Rebels

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 70
Golos: 8
Assistências: 38
Pontos: 46

Haydn Fleury é sem dúvida o 2º melhor defesa disponível neste Draft. Excelente patinador, Fleury usa muitas vezes o seu trabalho de pés para resolver as situações mais complicadas. Essa capacidade permite-lhe ser um jogador calmo quando pressionado pelos adversários, algo muito importante numa NHL onde cada vez mais se faz um forecheck intenso. Está a alguma distância do talento de Aaron Ekblad, mas o fosso entre Fleury e o próximo defesa deste Draft ainda é maior.

Comparação: Dan Hamhuis

9 – William Nylander, Centro, Sodertaje SK (Suécia)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 57
Golos: 16
Assistências: 18
Pontos: 34

Nylander tem todas as armas que um playmaker precisa para ter impacto na NHL, mas a sua principal característica é o controlo do disco. Nylander é um dos jogador mais habilidosos deste Draft. Mais do que a técnica, é a paciência que demonstra com o disco. Juntando isso à sua visão de jogo, Nylander pode-se tornar num excelente centro, ideal para criar jogadas de perigo para ele próprio e para os seus colegas de equipa.

Comparação: Martin St. Louis

10 – Nikolaj Ehlers, Ala Esquerdo, Halifax Mooseheads (QMJHL)

Estatísticas de 2013/14
Jogos: 63
Golos: 49
Assistências: 55
Pontos: 104

Antes de se mudar para o Canadá, Ehlers jogou no EHC Biel da liga suíça na época de 2012/13, contra jogadores muito mais experientes e deu-se bem. Durante o lockout, o dinamarquês teve a oportunidade de jogar ao lado de grandes estrelas da NHL, como Tyler Seguin e Patrick Kane. Quando chegou à QMJHL, explodiu com 104 pontos em 63 jogos, vencendo o prémio de rookie do ano da CHL. Ele é o pacote completo. Rápido, boa técnica, criatividade e intensidade. Não é muito grande, mas consegue impor o seu jogo sobre qualquer adversário.

Comparação: Zach Parise

 

Marian Gaborik renovam com os Kings para os próximos 7 anos

450733208_slide

Os Los Angeles Kings garantiram a permanência de Marian Gaborik no seu plantel, com um contrato de $4.87 milhões de dólares por ano, durante os próximos 7 anos. O melhor marcador dos Playoffs passa assim a ser o 5º jogador mais bem pago dos actuais campeões da Stanley Cup.

Gaborik queria continuar em LA e os Kings queriam continuar a contar com Gaborik. O avançado eslovaco poderia ganhar muito mais no mercado livre, mas o desejo de ficar falou mais alto. Mais um grande negócio para os Kings e, mais particularmente, para Dean Lombardi. Esta equipa vai continuar a ser candidata à Stanley Cup durante muitos anos, pelo menos se continuar a ser gerida com esta precisão.

Com Gaborik, os Kings têm uma profundidade de linhas quase impossível de contestar. Até as melhores equipas do Oeste, que têm as melhores defesas da NHL, têm muitas dificuldades para anular todas as linhas dos Kings. Se não é Kopitar e Gaborik, é Carter. Se não é Carter, é Justin Williams.

Este é um contrato perfeito para equipa e jogador, sem envolver demasiado risco, nem demasiado dinheiro. Os Kings sabem com o que podem contar. Gaborik também.

R.J. Umberger regressa aos Flyers em troca de Scott Hartnell

478906685_slide

Os Columbus Blue Jackets fizeram a vontade a R.J. Umberger e trocaram-no para uma equipa que ele conhece bem. O avançado de 32 anos regressa à equipa que lhe deu as boas vindas à NHL. Umberger passou 3 épocas em Philadelphia, onde marcou 116 pontos em 228 jogos.

Enquanto que a saída de Umberger não surpreende, o mesmo não se pode dizer do retorno. Scott Hartnell tem sido peça fundamental e um dos jogadores que melhor incorpora a identidade dos Philadelphia Flyers. Hartnell tem um contrato de $4.75 milhões de dólares durante os próximos 5 anos, enquanto que Umberger aufere $4.6 milhões durante mais 3 épocas.

Os Flyers não são avessos a trocas arrojadas. Basta lembrar Mike Richards, Jeff Carter e James van Riemsdyk, só nas últimas 3 temporadas. Olhando para os dois jogadores envolvidos, Hartnell é claramente melhor em todos os aspectos. Ambos têm 32 anos e custam quase o mesmo, mas Hartnell tem tido uma produção bastante superior à de Umberger.

Esta acaba por ser uma excelente troca para os Blue Jackets, que se livram de alguém que não queria lá estar e ainda recebem em troca um jogador bastante útil. Só espero que o novo GM dos Flyers, Ron Hextall, tenha qualquer coisa na manga. Se não, os Flyers vão sair muito mal na fotografia desta trade.

Os NHL Awards estão de volta a Las Vegas

frozen_moment_062214_slide

Depois de um ano de interregno devido ao lockout, os Prémios anuais da NHL serão novamente atribuídos na glamorosa cidade de Las Vegas. A noite de hoje servirá para premiar os melhores jogadores da época regular. Atenção, os Playoffs não contam para a atribuição dos prémios. A votação é feita pelos jornalistas inscritos na Professional Hockey Writers Association, tirando alguns casos específicos.

Estarão presentes várias estrelas de Hollywood, fãs de hóquei no gelo, como David Boreanaz (“Ossos”), Eric Stonestreet (“Uma família muito moderna”), Kevin Connolly (“Entourage”), Michael J. Fox e Whoopi Goldberg. Para completar a noite, ainda será anunciado o vencedor da competição para capa do NHL15, o galardoado videojogo da EA Sports.

Aqui ficam os prémios que serão atribuídos na terça-feira e os nomeados.

James Norris Memorial Trophy prémio atribuído ao melhor defesa da época regular.

Nomeados:
Zdeno Chara (Boston Bruins)
Duncan Keith (Chicago Blackhawks)
Shea Weber (Nashville Predators)

Hart Memorial Trophy prémio atribuído ao jogador mais valioso da época regular.

Nomeados:
Sidney Crosby (Pittsburgh Penguins)
Ryan Getzalf (Anaheim Ducks)
Claude Giroux (Philadelphia Flyers)

Vezina Trophy – prémio atrbuído ao melhor guarda-redes.

Nomeados:
Tuukka Rask (Boston Bruins)
Ben Bishop (Tampa Bay Lightning)
Semyon Varlamov (Colorado Avalanche)

Calder Memory Trophy – prémio atribuído ao melhor rookie da NHL.

Nomeados:
Nathan MacKinnon (Colorado Avalanche)
Ondrej Palat (Tampa Bay Lightning)
Tyler Jonhson (Tampa Bay Lightning)

Lady Byng Memorial Trophy – prémio é atribuído ao jogador com maior desportivismo e melhor conduta em campo.

Nomeados:
Ryan O’Reilly (Colorado Avalanche)
Patrick Marleau (San Jose Sharks)
Martin St. Louis (Tampa Bay Lightning e New York Rangers)

Bill Masterton Memorial Trophy – prémio atribuído ao jogador com maior perseverança e dedicação ao desporto.

Nomeados:
Dominic Moore (New York Rangers)
Jaromir Jagr (New Jersey Devils)
Manny Malhotra (Carolina Hurricanes)

Frank J. Selke Trophy – prémio atribuído ao avançado com maior capacidade defensiva.

Nomeados:
Patrice Bergeron (Boston Bruins)
Jonathan Toews (Chicago Blackhawks)
Anze Kopitar (Los Angeles Kings)

Jack Adams Trophy – prémio atribuído ao melhor treinador.

Nomeados:
Mike Babcock (Detroit Red Wings)
Patrick Roy (Colorado Avalanche)
Jon Cooper (Tampa Bay Lightning)

GM of the Year Award – prémio atribuído ao melhor General Manager da época regular.

Nomeados:
Dean Lombardi (Los Angeles Kings)
Marc Bergevin (Montreal Canadiens)
Bob Murray (Anaheim Ducks)

Mark Messier Leadership Award – prémio atribuído ao jogador com maior capacidade de liderança.

Nomeados:
Dustin Brown (Los Angeles Kings)
Ryan Getzlaf (Anaheim Ducks)
Jonathan Toews (Chicago Blackhawks)

Ted Lindsay Award – prémio atribuído ao jogador mais valioso da NHL, segundo votação dos jogadores.

Nomeados:
Sidney Crosby (Pittsburgh Penguins)
Ryan Getzalf (Anaheim Ducks)
Claude Giroux (Philadelphia Flyers)

NHL Foundation Award – prémio atribuído ao jogador que aplica os valores principais do hóquei – compromisso, trabalho de equipa e perseverança – na sua comunidade.

Nomeados:
Patrick Bergeron (Boston Bruins)
Brent Burns (San Jose Sharks)
Duncan Keith (Chicago Blackhawks)

Maurice Richard Trophy – prémio atribuído ao jogador com mais golos da época regular.

Vencedor: Alex Ovechkin (Washington Capitals) – 51

Art Ross Trophy – prémio atribuído ao jogador com mais pontos da época regular.

Vencedor: Sidney Crosby (Pittsburgh Penguins) – 104

Cinco prováveis dispensas

450249442_slide

A partir do dia de hoje, as equipas da NHL podem exercer o direito de dispensar um jogador sem as habituais penalizações. Normalmente, quando uma equipa dispensa um jogador é obrigada a pagar a totalidade do contrato e ainda sofre uma penalização no salary cap. Fruto do acordo alcançado no último contrato colectivo de trabalho, as equipas têm agora a possibilidade de dispensar um jogador sem pesar no salary cap.

Por diferentes razões, vários jogadores encontram-se em perigo de serem dispensados. As equipas podem utilizar esta vantagem para ganharem alguma folga salarial, na preparação para a free agency. Aqui ficam os 5 mais prováveis dispensados durante este mês.

Brad Richards – New York Rangers

Contrato: $6.66 milhões de dólares por ano até 2019/20

Brad Richards teve uma boa época ao serviço dos New Rangers, com 51 pontos em 82 jogos. Parte da sua recuperação é devida à influência do novo treinador, Alain Vigneault, que lhe deu uma liberdade que nunca lhe foi permitida durante o reinado de John Tortorella. Mesmo assim, Richard tem 34 anos e as suas capacidades diminuem a olhos vistos.

Richards terá 39 anos quando o contrato de $6.66 milhões acabar. Para os Rangers, será melhor desfazerem-se deste peso, uma vez que têm uma mão cheia de jogadores jovens para renovar. Derick Brassard, Mats Zuccarello, Anton Stralman e Chris Kreider, todos tiveram épocas de afirmação e têm o contrato a terminar.

Ville Leino – Buffalo Sabres

Contrato: $4.5 milhões de dólares por ano até 2016/17

Depois de uma época desastrosa, os Buffalo Sabres são uma equipa em reconstrução. Ville Leino foi contratado depois de um percurso incrível nos Playoffs de 2011 com os Philadelphia Flyers, mas nunca mais conseguiu atingir esse nível.

Para dizer a verdade, Leino foi um dos piores jogadores da NHL, qualquer que seja as estatísticas que se utilizem. O avançado finlandês não marcou qualquer golo em 58 jogos, foi o jogador que menos remates produziu na NHL e também um dos que menos pontos marcou por jogo. Leino é mais do que candidato. Quer seja pela situação da equipa, quer seja pela sua produção, a sua dispensa é mais do que óbvia.

Martin Havlat – San Jose Sharks

Contrato: $5 milhões de dólares por ano até 2014/15

Os San Jose Sharks já informaram o jogador que não vão contar com ele para a próxima época. Vão tentar trocá-lo primeiro, mas um contrato destes é difícil de movimentar e o mais provável será a sua dispensa. Os Sharks sofreram um enorme revés, com a derrota na 1ª ronda frente aos eventuais campeões Los Angeles Kings, e deverão executar uma autêntica revolução no plantel. Os $5 milhões vão dar muito jeito nessa reconstrução.

Havlat não é um mau jogador. Ele marcou 22 pontos em 48 jogos, fazendo parte de uma 3ª linha muito forte dos Sharks. Mas as lesões têm impedido que o checo esteja no seu melhor. Mesmo sem lesões, o contrato é muito pesado. O seu salário está ao nível de James Neal, Bobby Ryan e Jamie Benn. Ele não.

Ryan Malone – Tampa Bay Lightning

Contrato: $4.5 milhões de dólares por ano até 2014/15

Com a saída de Martin St. Louis, os Tampa Bay Lightning viraram uma página da sua história. Das estrelas que trouxeram a Stanley Cup em 2004 apenas sobra Malone. Os Lightning foram uma das grandes surpresas da época, com um contingente impressionante de jovens a apoiar o novo líder da equipa, Steven Stamkos. Desde que chegou ao cargo, o GM dos Lightning Steve Yzerman tem aplicado uma estratégia de futuro. Malone não faz parte desse plano.

Juntando a isso, Malone foi preso por posse de cocaína em Abril. Com o jovem Jonathan Drouin, que joga na mesma posição que Malone, à espera de um lugar na equipa da próxima temporada, a dispensa de Malone é mais do que certa.

Mike Richards – Los Angeles Kings

Contrato: $5.75 milhões de dólares por ano até 2019/20

Esta é uma opinião pessoal. Não existem indícios que os Kings estejam a pensar em dispensar Mike Richards, mas conhecendo o modo de actuar do GM Dean Lombardi, é bem possível. Pelo menos faz sentido.

Richards perdeu preponderância no plantel dos Kings. Apesar de uma época dentro do normal (41 pontos em 82 jogos), Richards chegou a jogar na 4ª linha dos Kings durante os Playoffs. O aparecimento de jovens como Tyler Toffoli e Tanner Pearson retiram tempo de jogo ao veterano de 29 anos. Tudo depende do que Dean Lombardi quiser fazer depois de ganhar a Stanley Cup. Manter esta equipa ou reforçar cirurgicamente algumas posições. Se escolher a última opção, os $5.75 milhões podem dar muito jeito.