P.K. Subban responde a comentários racistas com excelência no gelo

Montreal Canadiens 4 – 2 Boston Bruins
Canadiens lideram série por 2-1

P.K. Subban continua a fazer a cabeça em água à equipa dos Boston Bruins, depois de ter sido alvo de comentários racistas no Twitter. Aos 11 minutos de jogo, Subban encontra Thomas Vanek que faz um passe excelente para o golo de Thomas Plekanec. Quatro minutos depois, Subban tenta placar um jogador dos Bruins, mas acaba por acertar no seu colega de equipa, Vanek, que teve que sair para ser assistido.

Na sequência desse lance, Subban recebe uma penalidade por ter entrado com o cotovelo alto e os Bruins têm um powerplay. Ao fim dos dois minutos, Subban sai da caixa de penalidades, recebe um passe de Lars Eller e fica isolado frente a Tukka Rask. Uma finta de corpo e 2-0 para os Canadiens. Dale Weise marcou o terceiro golos dos Canadiens no 2º período, ainda antes dos Bruins acordarem.

Patrice Bergeron desviou um remate de Torey Krug para fazer o 3-1, e Jarome Iginla colocou os Bruins a um golo do empate com 3 minutos para o fim do jogo. Mas Subban voltou a entrar em acção. Durante o último assalto dos Bruins, Subban vai contra a baliza de Carey Price, forçando a paragem no jogo. Se intencional, o lance é merecedor de grande penalidade, mas Subban fez o suficiente para fazer os árbitros duvidarem. Jogada de veterano de um jogador que tem apenas 24 anos.

Minesotta Wild 4 – 0 Chicago Blackhawks
Blackhawks lideram série por 2-1

Os Wild utilizaram da melhor maneira o factor casa para vencerem o primeiro jogo nesta eliminatória. A estratégia de Mike Yeo para este jogo foi clara: manter um ritmo baixo. Com a quantidade de jogadores rápidos que os Blackhawks têm, não é boa ideia entrar num jogo de parada e resposta. Os Wild identificaram esse ponto forte do adversário e moldaram o jogo à sua medida.

Existem dois tipos de equipa na NHL. Equipas que fazem e sofrem muitos remates e equipas que fazem e sofrem poucos remates. Os Wild inserem-se na 2ª categoria. Nenhuma equipa fez mais do que 20 remates neste jogo. Os Wild fizeram 18, os Blackhawks 19. Os Blackhawks ainda não conseguiram fazer mais do que 22 remates nesta eliminatória, depois de terem feito uma média de 31 remates por jogo contra os Blues.

Ilya Bryzgalov recuperou alguma da confiança que tinha perdido nos dois primeiros jogos, mas a maneira como os Wild restringem os remates do adversário ajuda a diluir os erros que o guarda-redes possa fazer. Quanto menos remates fizerem os jogadores dos Blackhawks, menos oportunidades tem Bryzgalov de fazer asneira.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s